14 de março de 2014



E foi subindo a rua, subindo, tentando nem olhar para trás, medo de voltar ao ponto de partida... subia incessante, quase incansável, mas dentro algo não subia com ela... a cada passo, ia e algo ficava... e misturava bagagens, levezas e pesos... à medida que avançava, a cabeça pesava de memórias inteiras, latentes, dormentes...
Subia determinada, subia para vencer-se a si, ia, ia... se doía, dava logo um jeito de deixar pelo caminho o que mais lhe pesava... largava mais um obstáculo no avanço que mirava... um erro aqui, uma má escolha ali, uma dor acolá... fora, fora, fora... que ficassem fora das memórias que elegia carregar agora...
Subia intensa, buscando olhar além, porém... sabia que o que a empurrava rua acima era a mesma força que a sacudia a olhar para baixo e voltar... a rua longa, tinha exata metragem do tempo de vida que ela tinha... subia, ia... sabia... avante, adiante... soltando pedaços inertes de lembranças débeis atrás de si, agarrando-se intensa às lembranças boas que sustentavam seus passos... firmes e lentos, fortes e fracos, novos e gastos, novos e tão velhos e novos e velhos...
Quando chegou ao destino mirado, percebeu que havia mais... o fim era só o começo... era preciso continuar... a subida não mais era tão íngreme, mas era íngreme o suficiente para não ser mais como era a outra que subira até aquele instante... e.... antes de avançar incessante, incansável... o inevitável: virou-se para o que deixara para trás... jogara fora enquanto subia, o que enfim fizera ou restara, restaria? Virou-se lenta, lenta, isenta, isenta, lenta... e vislumbrou-se! A perder de vista, a rua pela qual viera, escura pelas lembranças e feridas, colorida estava, florida era, ela plantara cores nas dores dos amores perdidos e nas tentativas vãs, nos afãs dos amanhãs que não vieram como eram... se aquilo fosse sonho, já valera...

Retomou sua subida... refeita, quase embebida em si... surpresa sem ferida... plantara flores e plantaria vida em sua vida a cada novo passo da subida erguida... agora entendia, o que ficava e o que viria, o que deixava, sangrava e floria...

Um comentário: